Produção

TIJOLOS LAPIN – PROCESSO PRODUTIVO

1

TIJOLOS LAPIN

Os Tijolos LAPIN são fabricados por processo industrializado onde a formação de matéria prima e prensagem são realizadas em processo automático, sem a intervenção do homem. A prensagem é feita por força hidráulica, desempenhando-se uma força de até 12 toneladas. Este processo é controlado por computador para assegurar os parâmetros de densidade de compactação. Ao final do processo de fabricação é feito um pré-teste de liberação de lotes para comercialização, cujos ensaios finais são realizados no Instituto de Cerâmica Vermelha de 3 Rios (FIRJAN).

Matéria prima

Como explanado anteriormente , a matéria prima de nossos produtos , é o solo-cimento , estabilizado com cimento Portland . O nosso solo é extraído na região de Magé , sendo utilizado um tipo selecionado de Saibro e feita uma correção com areia lavada ( como determinou os ensaios laboratoriais ).
2
3

Preparo da carga

É adicionado ao solo o percentual pré-determinado de cimento Portland e areia peneirada ( em resposta aos ensaios realizados em laboratório ) , em seguida , os produtos são colocados em uma masseira orbital , que realiza o processo de tombamento da então mistura , após um determinado tempo , é adicionado a água de cristalização ( dentro da própria masseira ) e ainda permanece um tempo para homogeneização . Após este processo , a mistura é inserida em um triturador , que tem a função de homogeneizar a mistura e estabilizar a curva granulométrica . Assim a mistura solo-cimento , estará pronta para abastecer a prensa de formação de blocos.
4

Prensagem dos blocos

Abastecida a matéria prima no funil da máquina , o restante do processo de prensagem é automático , que consiste em : 1) Retirar do funil um volume constante de mistura , e transferi-la para dentro do molde de formação de blocos 2) Corrigir a quantidade de mistura colocada dentro do molde e a sua densidade . 3) Prensar com até 12 toneladas a mistura , afim de conseguirmos uma boa coesão inicial e uma estabilidade de densidade final . Levando-nos assim a resultar uma excelente precisão dimensional e projetarmos os trabalhos de dilatação e contração durante a cura dos blocos 4) Extrair os blocos já formados de dentro do molde 5) Retirar os blocos de dentro da máquina , para disponibilizarmos um novo ciclo de produção. 6) Os blocos , agora manualmente , são transferidos para paletes ( nesta hora inicia-se o processo de controle de qualidade dimensional por amostragem ) , e após completos , seguem para o processo de “Cura por hidratação” .

Cura por Hidratação

Os blocos prensados , seguirão para hidratação forçada , durante aproximadamente 4 dias em área coberta e sem ventilação . Esta etapa nos garante a permanência de água dentro da mistura , garantindo-nos assim a correta ação do cimento Portland , e com isto o ganho de resistência desejado aos nossos blocos Após estes 4 dias seguidos de hidratação forçada , os tijolos permanecerão ainda em área coberta , porém com ventilação forçada , para iniciar o processo de desidratação , que dentro da fábrica ocorre por aproximadamente 3 dias , porém a desidratação final , somente ocorrerá quando os tijolos estiverem em suas aplicações finais.
4
4

Embalagem

O processo de embalagem, é seguido de controle de qualidade visual. Serão descartados todos os tijolos quebrados, trincados ou com avarias que possam comprometer sua aplicação. Por amostragem, é feito um novo controle dimensional e também por amostragem, os Blocos serão enviados para o Instituto de Cerâmica Vermelha de 3 Rios – FIRJAN. Os tijolos serão amarrados em módulos de 10 blocos e estocados em área coberta, no aguardo do resultado dos ensaios laboratoriais, após a confirmação dos resultados, os mesmos estarão disponibilizados para o carregamento.